Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

19
Ago14

Touradas: um post seguramente para "fazer amigos"

Duarte d´Araújo Mata

 

Começo por dizer que não gosto de touradas e por isso nunca fui a nenhuma e não costumo assistir na TV às corridas. Não me atrai o espectáculo em si, não valorizo suficientemente os elementos que dele fazem parte para o admirar e merecer o meu tempo.

No entanto, começo a sentir que há um cerco às touradas completamente desproporcionado e que resulta de mais uma das visões distorcidas que as sociedades "urbanas" têm sobre o que julgam ser o mundo rural, que na verdade conhecem normalmente pouco.

O tempo de antena que os grupos anti-touradas está a conseguir na opinião pública é proporcional à sua falta de argumentação contra espectáculos deploráveis com animais que os mesmos "urbanos" construiram para se entreterem, e onde manifestamente os animais são colocados em cativeiro, tratados a vida toda como objectos decorativos e lúdicos e sujeitos a condições de vida articifiais e exigentes do ponto de vista do "bem-estar" animal. Falo de ZOOs ou Exibições diversas de animais selvagens, onde as crianças são educadas desde pequenas a sorrir quando uma arara anda de triciclo e são fotografadas a fazer festas em bufos-reais ou cobras e outros répteis.

Ao contrário dos touros que são provavelmente, dentro dos animais criados pela acção do Homem, dos mais livres que se conhece (pese embora os 30 minutos de toureio a que se dedica toda a atenção mediática), e que permitem a manutenção sustentável a todos os níveis de um património ecológico valiosíssimo, todos os exemplos a que fiz referência contrariam a meu ver a ética de protecção animal e sobre os quais pouco ou nada se fala.

Não há hoje quaisquer razões para a existência de "shows" de animais selvagens e havendo actualmente todo o tipo de tecnologia e multimédia que permitiria substituir o actual modelo dos ZOOs ao estilo "Julio Verne" por modernas interacções digitais, 3D, etc,  permitiria vocacioná-los à sua útil função de salvaguarda genética de animais ameaçados na rectaguarda de uma verdadeira lógica de conservação. 

Imagino que só pode ser uma questão de estratégia esta obsessão com as touradas, não sobrando espaço para falar "do resto". 

Fotos AQUI e AQUI

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Publicidade

Links

_EM DESTAQUE

_RISCOS ASSUMIDOS

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D