Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

19
Mai09

Recapitulemos: em 6 de Junho de 1999, o advogado José António Barreiros, ao tempo secretário-adjunto do governador de Macau, demitiu por falta de confiança pessoal e política o então director do Gabinete dos Assuntos de Justiça, Alberto Costa. Fundamentava com o facto de Alberto Costa ter pedido para falar, e falado, com o juíz Celeiro, que tinha em mãos o caso das alegadas ilegalidades no caso da televisão TDM. Em resultado, o referido juíz queixou-se de pressões, sendo o resultado a demissão de Costa.

Carlos Melancia, o novo governador de Macau, decidiu, então revogar não a demissão, mas a fundamentação da demissão. Após o que Alberto Costa recorreu para o tribunal Administrativo e, obviamente, não havendo fundamentação da demissão, foi reconduzido e indemnizado.

Reconhecendo os manifestos «bloqueamentos políticos», José António Barreiros pôs o lugar à disposição, e o presidente da República, Mário Soares, demitiu-o.

Alberto Costa viria a ser ministro da Administração Interna e é, hoje, ministro da Justiça do governo socialista. E nomeou Lopes da Mota para o Eurojust, o organismo europeu que faz a ligação entre polícias, nomeadamente em casos internacionais como o Freeport. Lopes da Mota foi alvo de uma queixa de pressões sobre os magistrados que investigam o caso Freeport no sentido de o arquivar, invocando o nome de Costa e de Sócrates. Corre processo disciplinar contra ele. E Costa e Sócrates não o demitem.

Entretanto, toda a documentação sobre o aterro da Cova da Beira, assunto que está em tribunal e envolve a viúva de António Morais, professor de Sócrates no seu curso, toda essa documentação guardada num Ministério, o do Ambiente (que foi o organismo que supervisionou o aterro, sendo Sócrates ministro) foi destruída. Segundo «directivas europeias», dizem-nos.

Vi isto de fugida num telejornal. Mas o que me divertiu realmente hoje foi o primeiro episódio de «O Padrinho». Espero que a TVcine repita a continuação desta história de gangsters.

 

11
Mai09

Não sei porquê anda para aí meio mundo preocupadíssimo com a perspectiva de nenhum partido obter maioria absoluta nas próximas legislativas. Sem se rirem às gargalhadas dizem temer que o país venha a tornar-se ingovernável.

Então expliquem-me como se eu fosse muito burro: o que é que ganhou o país com a maioria absoluta socialista? E as reformas prometidas? E o confronto com as corporações? Ou será que tudo não passou dum mero jogo de intimidação ao género canino – agarrem-me se não eu mordo? A justiça já funciona? Baixou-se a despesa pública? Que é feito da dívida externa? Diminuiu a corrupção? As escolas já ensinam? O desemprego abrandou? E a criminalidade? O estado paga a horas e tornou-se pessoa de bem?
Ora deixem-se lá de tretas, e venha daí uma maioria relativa!

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Publicidade

Comentários recentes

  • Anónimo

    Exmo. Senhor;Gostaria de saber se possível, o loca...

  • Ribeiro

    Parabéns pelo texto, coragem e frontalidade, apoia...

  • Anónimo

    Perfeito todo este artigo!!!

  • Anónimo

    O acto da "escolha" de um Rei, em sim mesmo, é men...

  • José Aníbal Marinho Gomes

    Resposta da Senhora Deputada Dr.ª Ilda Maria Arauj...

Links

_EM DESTAQUE

_RISCOS ASSUMIDOS

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D