Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

28
Mai09

Já repararam como está sol? As ruas estão cheias e há sorrisos, não que as pessoas tenham um motivo especial para sorrirem, para aparentemente estarem contentes - mas as pessoas reagem a impulsos, a estados de alma e estão felizes, estão felizes por e simplesmente porque está sol. Não será estranho?

As notícias dizem que há guerra, que há crise, que há tristeza, que não há dinheiro e que não há amor. E as pessoas? As pessoas respondem com um sorriso, com a força do sol e com a magia de uma Primavera que foge engolida por um Verão que chega. Depois vem o calor e mais calor, a família, as férias, a praia, o descanso e tudo o resto que o sol nos dá. Mas não há Verão sem um Outono que nos rouba a felicidade e também o calor, que já vimos são no fundo a mesma coisa.

Gosto do calor e da felicidade. Mais do calor, esse há sempre - pelo menos no Verão.

25
Mai09

O ciúme é tão antigo como amor - e ninguém sabe como e quando foi descoberto o amor, logo o ciúme também não. Toda a gente o tenta explicar sem nunca obter uma resposta - ficam as dúvidas, as suposições e as acusações - mas respostas nada.

Paul Láutaud dizia que "o amor sem ciúme não é amor", eu concordo. É como que uma faca que nos atinge no peito, é como que sangue que jorra sem doer, no fundo, trata-se de uma dor que nos torna impotente. Provavelmente é a única ferida que o amor abre e que nunca sabemos como estancar. O ciúme passa com o tempo, até lá não podemos fazer nada e o peito continua a doer, é uma picada que nos mói por dentro e que nos mata, como um cancro que não sabemos curar.

O romântico é por norma ciúmento, ninguém tenha dúvidas disso. Talvez por isso as mulheres não gostem de românticos. Talvez por isso as mulheres não gostem de ciúmentos. Se o amor fosse uma equação, o ciúme seria uma variável. Nunca gostei de matemática e por isso nunca percebi nada de equações. Sempre fui um romântico e como tal ciúmento. Será defeito? Será virtude? Será feitio? Prefiro pensar que é um misto empolado pelo amor. 

Para os ciúmentos como eu lanço um desafio: vamos criar uma associação, ou uma federação, ou uma confederação, ou ainda um sindicato, um clube recreativo ou qualquer outra coisa. Talvez o melhor seja criarmos grupos de reflexão e partilha de experiências, uma coisa do género Ciúmentos Anónimos: "Olá eu sou o João e sou ciúmento desde que me conheço. Não procuro a cura, porque junto a este mal a maior das virtudes: amar". Paul Láutaud tinha mesmo razão.

20
Abr09

Mulheres 2.0Sem querer massar muito os leitores aqui do blog, noto que cometi um pequeno lapso quando indiquei que o meu livro já estava à venda nas lojas Bertrand, indicando apenas o link da loja on-line.

Para quem não gostar muito de fazer compras pela internet, pode adquirir o "Mulheres 2.0 - o amor nos tempos da blogosfera", nas lojas Bertrand do Picoas Plaza, Campo Pequeno, Cascais Shopping e Centro Comercial Amoreiras, isto na zona de Lisboa. Na cidade do Porto podem encontrar o livro na Bertrand do Dolce Vita das Antas.

16
Abr09

A revista Ler está diferente. O mesmo é anunciado no editorial assinado por Francisco José Viegas, e a justificação é a do costume - a crise. Temos agora uma Ler mais pequena em tamanho, mas igual em número de páginas.

 

Na minha opinião, a mudança de tamanho, embora signifique uma razoável poupança em custos de gráfica, não foi uma boa opção. Isto porque muito boa gente pode não estar disposta a dar 5 euros por uma revista que já foi maior, mas que mantém o mesmo preço.

 

Mas nem tudo mudou para pior na Ler, aliás a grande maioria das mudanças foram positivas, com destaque para a escolha do Nuno Costa Santos para provedor dos leitores.

 

Na edição deste mês de Abril temos direito a uma excelente entrevista de Carlos Vaz Marques a Antonio Tabucchi, para além de uma crónica deliciosa de Pedro Mexia, um perfil bem traçado em jeito de entrevista ao Baptista-Bastos, que conta o que lia no 25 de Abril, e os conselhos literários de Pedro Marques Lopes e Patrícia Reis.

14
Abr09

O título é roubado ao Rodrigo Moita de Deus, ou melhor, o título é roubado ao segundo romance publicado pelo bloguer do 31 da armada – editado, se não me falha a memória, em 2001 pela Bertrand. Ainda não existia o 31 da armada e ainda  a blogosfera não era o que é hoje.


Encontrei o livro por acaso, há poucas semanas, numa estante de promoções, pelo que o devo ter adquirido por uns módicos cincos euros, ou coisa que se pareça. Na altura, andava entretido a explorar o que de novo se escrevia em Portugal, aquilo a que no “mundo editorial” (se é que o existe) chamamos de “novos autores”. Primeiro li o “apocalipse dos trabalhadores”, do valter hugo mãe, com letra minúscula é claro, como gosta de escrever e que parece ter pegado moda, depois entreguei-me ao “Cemitério de Pianos” do Peixoto, logo de enfiada foi o “Elogio do Passeio Público” da inesquecível Filipa Martins, isto em vésperas de eu lançar o meu primeiro livro, semanas depois descobri, parece que tarde, o João Tordo com o “Três Vidas” e mal o acabei devorei a edição de bolso do “Hotel Memória” que, ao que dizem, o lançou para o estrelato da literatura nacional e até para a internacionalização, que ao que me dizem também é tipo uma chave do totoloto dos escritores (ou se preferirmos,  o passaporte para que possam começar a viver unicamente da escrita).


Estava com um ritmo de leitura interessante e comecei a frequentar ainda mais as livrarias, ciente de que a minha tarefa de me “cultivar” seria bem sucedida, comprei umas coisas que para aqui tenho do Jacinto Lucas Pires, mas nunca as li – decidi voltar aos velhos livros e ainda embalado pela escrita do João Tordo comecei a reler a “Trilogia de Nova Iorque” do Paul Auster, onde sem dúvida se inspira (não vale de nada negar). Foi então que e voltando ao propósito deste texto, encontrei “O Vigarista” do RMD – decidi deixar o Auster de lado, terminei apenas a releitura de “A cidade de vidro” e parei.


O Rodrigo relata a história de um jovem colombiano, viajado à custa do seu trabalho como paquete em cruzeiros de luxo, autodidacta e culto por convicção, poliglota e sedutor à antiga, um gentleman com uma pitada sul-americana. Um homem que chega a Portugal com alguns milhares de contos refugiados na Suíça, fruto de um furto realizado no último navio onde trabalhou e se prostituia – instala-se no Ritz, aluga um carro com motorista, faz-se passar por nobre e adopta um nome falso comprovado por um passaporte adquirido na candonga, dizendo que se tratava de um amigo pessoal de Soros. Ao fim de dois anos, após ter burlado banqueiros, políticos, empresários e jornalistas e de ter dormido com as mais apetecíveis musas portuguesas, torna-se um magnata da comunicação social, construindo um império baseado no crédito fácil e em avales pessoais sem valor efectivo – o circo é desmontado por um jornalista e D. Sortorio de Santamaria (penso que é assim que se escreve) é obrigado a fugir para uma ilha deserta, onde aproveita a sua vida rodeado dos seus milhões.


Este relato pode parecer completamente ficcional e suponho que em 2001 até o fosse, mas hoje é nos apresentado como um espelho da realidade. Não só as promiscuidades entre comunicação social, política e finança que em “O Vigarista” nos são reveladas, se tornam cada vez mais evidentes, como surgem cada vez mais histórias idênticas a estas. Vejamos pois a travessuras de João Vale e Azevedo em Inglaterra, o buraco do BPP, o Freeport e todos os escândalos após a falência do BPN. Em Portugal, muitas vezes não é preciso ser rico, basta parecer – o que serve para conquistar posições de simpatia junto da política, do mundo financeiro e mesmo da comunicação social – depois disso é fácil tornar-se rico. Já sabe, se quiser montar uma empresa de sucesso o melhor investimento que pode fazer é adquirir um Aston Martin DB9 a leasing.


Mas o que me levou a escrever este texto não é nenhum exemplo português. Folheava hoje a Tabu, quando descobri, penso que tarde, a incrível história do Sr. Achilleas Kallakis, contada pelo jornalista César Avó. Trata-se de um campeão de Póquer, que até há pouco tempo residia em Londres. Conhecido apenas no mundo do jogo, cedo adoptou o nickname de The Don.


Do jogo de cartas até à alta finança foi um pequeno passo – antes disso ainda teve tempo para ser condenado pela venda de títulos nobiliárquicos falsos a norte-americanos, sauditas e australianos. Kallakis montou um império imobiliário, com recurso ao crédito bancário, no Reino Unido, através de papelada forjada. Mal conseguiu algum dinheiro só teve que preparar bem a encenação e parecer um milionário: um Bentley com motorista, um suposto cargo de Embaixador de San Marino no Sultanato do Brunei, um falso interesse na compra da equipa de fórmula 1 da Honda, uma suposta ascendência de uma família milionária grega, um escritório na Mayfair, uma casa em Knightsbridge, uma segunda casa em Monte Carlo, um jacto privado e um magnífico  barco na Côte d’Azur. Tudo correu bem até que um banco irlandês denunciou o caso à Serious Fraud Office – a mesma instituição que, ao que nos conta o jornalista do Sol, está a investigar o caso Freeport. Ninguém sabe do paradeiro do “milionário”.


É fenomenal como a ficção e a realidade se podem tantas vezes cruzar – é o caso.  Leiam o livro e nunca confiem muito nos novos ricos.

28
Fev09

"E de novo, Lisboa, te remancho,
numa deriva de quem tudo olha
de viés: esvaído, o boi no gancho,
ou o outro vermelho que te molha.

Sangue na serradura ou na calçada,
que mais faz se é de homem ou de boi?
O sangue é sempre uma papoila errada,
cerceado do coração que foi.

Groselha, na esplanada, bebe a velha,
e um cartaz, da parede, nos convida
a dar o sangue. Franzo a sobrancelha:
dizem que o sangue é vida; mas que vida?

Que fazemos, Lisboa, os dois, aqui,
na terra onde nasceste e eu nasci?"
 

Alexandre O'Neill

27
Fev09

"Quando eu morrer batam em latas,
Rompam aos saltos e aos pinotes,
Façam estalar no ar chicotes,
Chamem palhaços e acrobatas!

Que o meu caixão vá sobre um burro
Ajaezado à andaluza...
A um morto nada se recusa,
Eu quero por força ir de burro."
 

 

Mário de Sá Carneiro

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Publicidade

Comentários recentes

  • Anónimo

    Exmo. Senhor;Gostaria de saber se possível, o loca...

  • Ribeiro

    Parabéns pelo texto, coragem e frontalidade, apoia...

  • Anónimo

    Perfeito todo este artigo!!!

  • Anónimo

    O acto da "escolha" de um Rei, em sim mesmo, é men...

  • José Aníbal Marinho Gomes

    Resposta da Senhora Deputada Dr.ª Ilda Maria Arauj...

Links

_EM DESTAQUE

_RISCOS ASSUMIDOS

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D