Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

21
Abr09

Segundo o Paulo Pinto Mascarenhas Fernanda Câncio retirou-se do programa da TVI "A Torto e a Direito" moderado pela Constança Cunha e Sá.

Fico triste pois confesso que dava-me uma certa satisfação aquela exibição de pequenez intelectual e pobreza retórica da jornalista, no desequilibradíssimo confronto com João Pereira Coutinho e Francisco José Viegas...
Para os seus fãs, a senhora continuará a destilar a sua mesquinhez, ressabiamento  e preconceito na blogosfera e num diário de referência nacional. Mas à rédea solta, e se possivel entre camaradas, que é bem mais fácil.
15
Abr09

Hoje, José Manuel Fernandes, no editorial em que lamenta a fraca escolha do PSD para as eleições europeias, escreve por duas vezes duas que Nuno Melo é o líder parlamentar do PSD: “O CDS escolheu [para cabeça-de-lista] o seu actual líder no Parlamento português.” E quem é ele, quem é? Fernandes esclarece, logo a seguir, os seus leitores: “Rangel é, como Nuno Melo, líder parlamentar (…)”.

Miguel Abrantes, no Câmara Corporativa

14
Abr09

 

A frase é do Paulo Pinto Mascarenhas, no programa "Descubras as Diferenças", na Rádio Europa, sobre o novo jornal "i", onde é editor e onde o Pedro Rolo Duarte será o director da revista. Podem ouvir aqui o podcast do programa, onde ambos se juntaram à conversa com a Antonieta Lopes da Costa e o André Abrantes Amaral.

 

O director do "i" é Martim Avillez Figueiredo, ex-director do DIário Económico, que promete ter o jornal nas bancas até ao final deste mês de Abril. Espero com sinceridade que este projecto corra pelo melhor e venha elevar efectivamente os padrões de qualidade dos jornais diários de âmbito nacional.

 

Muito mais modesto que o "i" vai correndo o meu jornal, o Portal Lisboa. Trata-se de um jornal mensal de âmbito regional, dedicado exclusivamente à cidade de Lisboa. Também ele ataca o público de classe A, mas ainda muito a classe B - espero que um dia o consiga evoluir para a "classe AA" de que o PPM nos fala na Rádio Europa.

13
Abr09

 

Sou militante de base e com quotas em atraso do PS, não votei nas últimas directas, e se tivesse a oportunidade de mudar o meu voto nas penúltimas directas teria votado no João Soares, por me parecer bem mais sério do que José Sócrates e Manuel Alegre. Como não podemos voltar atrás no voto resta-me olhar com tristeza para aquilo em que se transformou o Partido Socialista e este governo, no qual envergonhadamente admito que também votei. Posso ainda ter cartão, não sei por quanto tempo, mas não me privo de ter um pensamento independente, virado para a discussão política de ideias, coisa que José Sócrates matou no partido e agora quer matar no país.


José Sócrates decidiu processar o Rui Tavares, agora candidato do BE ao Parlamento Europeu, por ter escrito a seguinte frase: “Sócrates não é um político sério e falta-lhe autoridade moral em quase tudo”. Virou-se depois para o João Miguel Tavares do Diário de Notícias, que escreveu: “À medida que se sente mais e mais acossado, José Sócrates está a ultrapassar todos os limites. Numa coisa estamos de acordo: ele tem vergonha da democracia portuguesa por ser ser terreno propício para as campanhas negras; eu tenho vergonha da democracia portuguesa por ter à frente dos seus destinos um homem sem o menor respeito por aquilo que são os pilares essenciais de um regmie democrático. Como político e como primeiro-ministro, não faltarão qualidades a José Sócrates. Como democrata, percebe-se agora porque gosta tanto de Hugo Chávez”. Subscrevo.


Ao que consta, existe ainda um processo do primeiro-ministro contra José Manuel Fernandes, director do Público, no qual José Sócrates exige ao jornal uma indemenização de 250 mil euros, neste processo figuram também queixas contra os jornalistas Paulo Ferreira e Cristina Ferreira.


Depois de tudo isto, o Ministro da Justiça também já prometeu agir judicialmente contra a TVI e o Jornal Sol, devido às notícias difundidas sobre o próprio na semana passada. Sobre este assunto, e a título de curiosidade, o mesmo jornal dá a conhecer esta semana novos dados: “Foi apenas a ajuda do então governador; Carlos Melancia, que evitou que Alberto Costa fosse condenado em 1989 por pressionar um juiz em Macau. O agora ministro, apontado como autor de pressões no caso Freeport, foi ainda assim exonerado de director dos Assuntos de Justiça do Território” (cito).


Perante isto, concordo com tudo aquilo que li nas crónicas do Daniel Oliveira e do Henrique Raposo no Expresso – e acho que pela primeira vez também eles concordam em alguma coisa que escreveram na mesma página do jornal. Permitam-me apenas citar esta brilhante passagem do texto do Henrique: “Numa democracia a sério, todos os políticos são criticados sem misericórdia. Numa sociedade livre, a Manuela Moura Guedes é a normalidade, e a Fátima Campos Ferreira a anormalidade. O facto de Sócrates prestar tanta atenção aos jornalistas quer dizer uma coisa: o nosso primeiro-ministro tem demasiado tempo livre. A III República não é uma democracia a sério”.


No meio de toda esta embrulhada, em que José Sócrates tenta usar os tribunais para calar a opinião política e a própria comunicação social, surge Vital Moreira e a sua argumentação jurídica, defendendo o direito ao bom nome por parte dos políticos. Não quero com isto estar a contrariar o Sr. Professor, mas neste caso não estamos a falar de uma situação jurídica pura, mas meramente ética, em última instância política. Até que ponto podemos permitir que um primeiro-ministro lance, num curto espaço de tempo, uma rajada de queixas-crime contra jornalistas e comentadores políticos? Até que ponto não será uma óbvia estratégia de intimidação à comunicação social, como forma de defesa para o caso Freeport? E por fim, Sr. Professor, até que ponto não será posto em causa o princípio da separação do poder judicial do poder político? Lembre-se que agora é candidato ao Parlamento Europeu, por isso, nós portugueses, leitores do Causa Nossa, queremos respostas políticas e não jurídicas.


A propósito de toda a esta polémica, tive ainda a oportunidade de ver falar o  Pedro Marques Lopes na SIC Notícias, argumentando que os colunistas tendem a confundir factos com opinião – ou seja, para o Pedro, ao que parece, foi o que o João Miguel Tavares fez. Ousou como prova disso mesmo a insinuação  do jornalista freelance do DN, em que acusa José Sócrates de ter comprado um apartamento por metade do preço, facto este amplamente noticiado por vários, se não todos, os órgãos de comunicação social da nossa praça. Vejamos pois, quantas e quantas vezes já lemos nos jornais, ouvimos nas rádios e vimos na televisão, vários jornalistas e comentadores políticos a falarem do mesmo assunto e a fazerem insinuações muito mais graves?


José Sócrates mais uma vez aproveitou-se do nosso sistema legal e não há que ter medo em afirmar este facto. Atacou o elo mais fraco, ou seja, um jornalista freelance, ainda com pouco nome na nossa praça e que, ainda por cima, não está aparentemente conotado com nenhuma força política ou interesse que garanta a sua defesa jurídica e a sua sobrevivência financeira. Porque não processar um Pacheco Pereira, ou um Pulido Valente, ou ainda um Daniel Oliveira? Ser forte com os fracos é apenas uma prova da fragilidade de quem pratica este tipo de táctica. Hostilizar a comunicação social e atacar a liberdade de imprensa e opinião pode ser o princípio do fim do alegre reinado de Sócrates.

18
Mar09

O jornalista Luís Osório, que ontem no Rádio Clube Português a respeito de não sei quem que o desiludia afirmava-se simpatizante da  maçonaria, declarou esta manhã no mesmo programa que, como católico, sentia-se envergonhado com as afirmações do Papa sobre a estafada questão dos preservativos.

Eu por mim, acho surpreendente a facilidade com que despontam católicos quando é para dizer mal da Igreja. Onde é que eles estão quando é para fazer obra e arriscar um caminho?

29
Jan09


 

 

Se os jornalistas deste País tivessem a dignidade que se impõe, deveriam decidir-se por uma greve nacional. O primeiro-ministro acabou de proferir uma acusação gravíssima contra todos os profissionais da informação, quando se referiu a "poderes ocultos" que estão por trás das notícias que têm sido divulgadas sobre o caso Freeport.

Uma coisa, é o direito do cidadão José Sócrates, a exercer a função de primeiro-ministro, em defender a sua inocência. Outra, bem diferente, é integrar na sua defesa uma calúnia grave sobre o profissionalismo de quem abraçou uma carreira séria. Os "poderes ocultos" indicadas pelo primeiro-ministro, a existirem, descredibilizaria toda uma classe de jornalistas, ao ponto de, no futuro, a sua actividade deixar de ter a confiança dos seus leitores.

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Publicidade

Comentários recentes

Links

_EM DESTAQUE

_RISCOS ASSUMIDOS

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D