Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

06
Jun13

Os HUC (Hospitais da Universidade de Coimbra) encontram-se na liderança, com 99,7 por cento, das consultas hospitalares. O Hospital Distrital da Figueira da Foz surge logo a seguir com 96,8 por cento das consultas realizadas. É também notícia pela positiva o facto de, no dia 1 de junho, ter sido aberto o primeiro Centro de Prevenção e Tratamento do Trauma Psicogénico (CPTTP) do país. Segundo António Reis Marques, mentor deste centro e diretor do Serviço de Psiquiatria do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), trata-se de “uma estrutura funcional, única no país, que vem colmatar uma lacuna do Serviço Nacional de Saúde”. Mas nem tudo é positivo neste setor e mais de 20 por cento das consultas hospitalares em Portugal estão atrasadas. O Centro Hospitalar do Baixo Vouga lidera este aspeto negativo com 48, 9 por cento. Negativo é também o facto de nosso país um em cada dez doentes (10,6 por cento) contrair infeções nos hospitais. A média europeia no que toca à taxa global de prevalência de infeções hospitalares é de 6,1 por cento.

12
Abr13

O Movimento de Defesa do Ramal Pampilhosa/ Figueira da Foz tem-se debatido ao longo dos tempos pela requalificação e reabertura daquele ramal ferroviário.
Vítor Ramalho, dirigente do movimento, lembra, hoje como sempre, que esta linha “é estrutural e estruturante para toda a região que serve, não só no tocante ao transporte de passageiros, mas também ao transporte de mercadorias” e lembra que “metade das obras de requalificação já estão feitas e depois de tanto dinheiro gasto justifica-se o terminus da obra e a consequente abertura do ramal. Com a reabertura e modernização, ganhavam as populações, ganhavam os produtores, ganhava o porto da Figueira da Foz, ganhavam as nossas exportações uma vez que a partir da Pampilhosa é possível fazer trajetos ferroviários para todo o país e para toda a Europa”.
Também o Movimento Cultura e Cidadania, que juntou em Mira representantes partidários que defendiam e defendem o ramal, lamenta as noticias que mostram que a REFER e o Governo “estão contra os interesses das populações, das autarquias e dos empresários” que em devido tempo demonstraram ao Governo “o interesse em manter a linha em funcionamento”.

12
Abr13

O facto de Pedro Passos Coelho vir dizer que não vai aumentar mais os impostos não pode deixar os portugueses descansados. É que se preparam grandes cortes em setores como a Saúde, a Educação e a Segurança Social e isso quer dizer que vamos continuar a perder. Vamos continuar a afundar-nos. Vamos continuar a verem ser cortados subsídios e pensões. Mas, a tesoura não corta a direito, faz desvios, e nas Parcerias Público-Privadas (PPP) o governo não mexe. Forte com os fracos e benevolente com os fortes, o primeiro ministro lá vai afastando o cenário de crise política e esperando envolver o líder do PS nos cortes.

18
Mar13
A saúde em Portugal está muito doente e ouvem-se vozes que justificam esta afirmação.
Por exemplo, há para lamentar que os cortes cegos feitos no setor estejam a deixar os profissionais de saúde dos centros de saúde e dos hospitais à beira de um ataque de nervos.
Confidenciou-nos outro dia um médico do Serviço de Cardiologia dos Hospitais Universitários de Coimbra que nunca teve que “inventar tanto devido à falta de material”.
No Centro de Saúde de Mira também era voz corrente há dias que “o material escasseia e depois querem que façamos milagres”.
Se nada for feito - e aprece que a ideia do governo é apenas cortar, cortar - a saúde deixará de estar doente para, simplesmente, morrer.
07
Fev13

Cada vez que uma guerra eclode, cada vez que uma crise surge e se agudiza...quem mais sofre são (sempre) as crianças. 
Vem isto a propósito das noticias que nos dão conta das muitas crianças que vão para a escola sem tomar o pequeno almoço e também de situações em que são também as crianças que sofrem, nalgumas escolas, por via do “esquecimento” e de alguma falta de sensibilidade dos adultos. 
Independentemente do pensamento de quem manda, a ação nunca pode, seja qual for a situação, prejudicar as crianças que, como disse um dia Amilcar Cabral, devem ser, sempre, “as flores da nossa luta”.

10
Jan13

Numa altura em que a crise entra nos bolsos dos portugueses, os aumentos da luz, do gás e dos combustíveis funcionam como mais uma “machadada” nas carteiras pouco abonadas da grande maioria dos portugueses. A somar a estes aumentos, juntam-se os fechos diários de empresas e o consequente aumento do número de desempregados. Numa “espiral de recessão”, a expressão é de Cavaco Silva, Portugal lá vai correndo para o abismo. A não ser que uma qualquer luz surja no fundo de um qualquer túnel e leve a que os portugueses ainda adormecidos acordem e contribuam para a mudança necessária.

04
Jan13

Fechar hospitais, centros de saúde, escolas e tribunais só isola cada vez mais as populações. É isso que os governos têm feito neste país. Mas, vai uma aposta?, isso e outros ataques ao povo, não fazem mossa nos partidos que nos desgovernam. Quando houver eleições,os partidos do costume continuarão a vencer eleições, continuarão a mandar. O povo não aprende.

04
Jan13

 

Na defesa do ambiente e de uma melhor qualidade de vida, todos não somos demais.

Na rua, na fábrica, na escola, no nosso dia-a-dia, as boas práticas ambientais não podem ser descuradas, não podem ser apenas letra morta num qualquer plano estratégico apenas para “inglês ver”.
Porque é o nosso futuro, e sobretudo o das gerações vindouras, que está em jogo, há que trabalhar para que qualquer plano, qualquer estratégia pessoal ou colectiva, seja um instrumento para o futuro ambiental de todos nós. E não um conjunto de ideias virtuais.
Cada um de nós pode fazer muitas coisas simples para salvar a terra, para defender o ambiente, para ajudar na construção de uma melhor qualidade de vida. Assim, entre muitas outras coisas, reduza os sacos de plástico, use detergentes menos poluentes, coloque um compressor redutor de caudal nas suas torneiras, acerte as temperaturas do seu frigorífico e (ou) arca congeladora (a temperatura recomendável para o frigorífico é de 6º C e, para a arca congeladora, de – 18º C), desligue o ferro de engomar um pouco antes de acabar de passar pois ele continuará a difundir calor, não deixe a água a correr enquanto lava os dentes ou faz a barba, use lâmpadas incandescentes mais económicas - como as de crípton, tungsténio-hologénio ou com revestimento reflector de infra-vermelhos - em vez das “tradicionais”, tenha o seu carro sempre bem afinado pois um carro afinado gasta menos 9% de emissões tóxicas e esta é a maneira mais fácil de o fazer poupar gasolina, não trave nem acelere bruscamente, use pilhas recarregáveis (elas duram mais do que as alcalinas e têm um peso menor no nosso problema do lixo perigoso), poupe papel e prefira produtos naturais para travar a erosão, durante os períodos de seca não desperdice água regando a relva que começa a ficar castanha (trata-se de um processo de hibernação, e voltará ao normal depois das primeiras chuvas), separe os jornais do outro lixo e mande-os reciclar, compre ovos em embalagem de cartão e não de esferovite, compre legumes, cogumelos, carne, etc., avulso e não embalados, leve uma chávena para o emprego em vez de usar copos de papel, deixe de caçar e comece a disparar com a máquina fotográfica, deixe de fumar, ande a pé ou de bicicleta, coma para viver e não o contrário, seja sociável.
Para além destas coisas simples, há outros exemplos a ter em conta e que têm vindo a ser realizados nas empresas, nas escolas e noutras instituições. Aqui, nota-se uma preocupação constante pelo ambiente e pelo direito de trabalhadores, alunos e outras camadas da população a um melhor ambiente, a uma melhor qualidade de vida.
Com paixão militante ou de forma mais “soft”, cada um de nós deve fazer o que está ao seu alcance por um ambiente mais saudável, por uma melhor qualidade de vida, por um melhor futuro para nós e para as gerações futuras.
04
Jan13

Com problemas de sono, há quem aproveite para sonhar acordado. E há outros que sonham quando estão ferrados no sono.

Nós por cá sonhámos um destes dias que a nossa saúde estava cada vez pior e que alguns protagonistas do sector não são flores que se possam cheirar.

Depois, há quem misture tudo (sobretudo dinheiro e poder) e faça de conta que andamos todos distraídos.

E não nos venham falar em moral que esta história não tem moral sequer.

04
Jan13

Segundo os médicos, a maior soma de casos de doenças mentais sai dos desempregados. Com o número destes a aumentar (há empresas a fechar todos os dias), podemos chegar à conclusão de que o maior desejo de Passos Coelho é transformar este país num país de doentes mentais. Num país de doidos varridos.

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Publicidade

Comentários recentes

Links

_EM DESTAQUE

_RISCOS ASSUMIDOS

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D