Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

20
Set14

Quinhentistas: pobres mas empregados

Flávio Gonçalves

 Em 2012 Portugal ocupava o terceiro lugar no ‘ranking’ dos países onde ter um emprego não é garantia de poder pagar as contas ao fim do mês (à nossa frente encontravam-se a Bulgária e a Roménia). Em 2013 a Cáritas Portuguesa e a Cruz Vermelha Portuguesa confirmaram a tendência: um elevado número de pessoas com emprego a tempo inteiro já não conseguem pagar as contas e meter comida na mesa.

Pessoalmente conheço imensos casos destes e inclusive de pessoas em estado de pobreza com rendimentos mais elevados que os do ordenado mínimo nacional - que em termos europeus é miserável e terceiro-mundista, coisa que aparentemente não incomoda nem os nossos governantes nem o nosso patronato.

Ora bem, se o triunfo do capitalismo neo-liberal se deve, em teoria, à premissa de que só os preguiçosos que não querem trabalhar não conseguem acumular riqueza (teoria muito querida da direita portuguesa, não importa qual a sua cor ou representatividade, e inclusive de alguma esquerda intelectual rendida aos benefícios do capital) o que é que está a correr mal?

Podemos sempre escudar-nos do aumento constante do custo de vida, afinal Portugal tem os bens de primeira necessidade (água, luz, gás e – sendo modernista – internet) mais caros da Europa, preços equiparados ou inclusive mais caros que os países do norte da Europa onde o ordenado mínimo é, em média, o TRIPLO do nosso. Sobem também os impostos, o preço da comida, do combustível (também dos mais caros da Europa), em suma: sobe tudo excepto o ordenado dos portugueses, por mais produtivos e assíduos que sejam.

Mas o grande elefante que toda a gente ignora, por mais que tropecem nele, não é tanto que os portugueses ganhem 500 euros mensais mas que metade ou mais de metade desse valor sirva para pagar o empréstimo à habitação, o empréstimo do carro, ao consumo ou algum empréstimo de estudante. Resumindo: a geração quinhentista vive falida porque, em termos práticos, trabalha para aquecer entregando aos bancos o fruto desse trabalho, já em si mal pago. E o que fazem os bancos com o dinheiro que tão arduamente lhes entregamos? Vão à falência e depois são salvos pelo Estado. Hoje nem vamos tocar na vaca sagrada dos preços loucos, irrealistas e inflacionados das habitações nem do arrendamento urbano nas grandes cidades, essa é outra luta embora faça parte deste mesmo problema.

[Pubicado no semanário O Diabo a 12 de Agosto de 2014]

1 comentário

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Publicidade

RSS Feedburner

Subscribe in a reader

Publicidade

Links

_EM DESTAQUE

_RISCOS ASSUMIDOS

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D