Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

25
Abr15

Galípoli. É preciso não esquecer!

José Aníbal Marinho Gomes

640px-G.C._18_March_1915_Gallipoli_Campaign_Articl

Faz hoje 100 anos que começou a Campanha de Galípoli, na Turquia, que decorreu de 25 de Abril de 1915 a 9 de Janeiro de 1916, durante a I Guerra Mundial. Tratou-se de uma das campanhas mais trágicas da guerra, que opôs forças britânicas, francesas, australianas e neozelandesas (as divisões ANZAC-Australian and New Zealand Army Corps) aos impérios otomanos, alemão e austro-húngaro.

A entrada da Turquia na Primeira Guerra Mundial ao lado dos alemães, devido à sua situação geográfica, funcionava como uma barreira entre o Leste e o Ocidente, pelo que era importante, na óptica aliada a abertura de um corredor que permitisse uma rápida comunicação com a Rússia.

Os aliados travaram renhidos combates em vários pontos, tais como Seddul-Bahr, Sula e Gaba-tépé, cujo resultado se traduziu em inúmeras baixas. Mas após resistirem ao contra-ataque turco, entrincheiraram-se em Galípoli, na margem esquerda da Península de Galípoli, dominando os Dardanelos (estreito no noroeste da Turquia que liga o Mar Egeu ao Mar de Mármara)

Durante vários meses, os aliados consomem-se numa guerra lenta, com violentos confrontos sem contudo terem conseguido tomar posições turcas, quer devido às dificuldades do terreno quer à resistência das tropas turcas, não conseguindo os aliados o objectivo de abrir o estreito até o final da guerra, o que dificultou o apoio ao aliado russo.

Uma grande ofensiva alemã nos Balcãs em Outubro de 1915, obrigou os Aliados a concentrarem a sua atenção noutros pontos, tendo sido ordenada a evacuação dos Anzacs entre o dia 20 de Dezembro de 1915 e 8 de Janeiro de 1916.

O Anzac Day − 25 de Abril – é a comemoração mais significativa dos veteranos de guerra na Austrália e na Nova Zelândia, ultrapassando mesmo as comemorações do Dia do Armistício.

O resultado final traduziu-se num elevado número de vítimas, apontam-se para 220 000 (59% de baixas do lado britânico e aliados) e 253 000 (60% de baixas, para os otomanos e seus aliados).

Esperemos que o bom senso impere na humanidade, para que os povos não voltem de novo, a passar por qualquer período de terror, onde se cometem das maiores atrocidades contra o ser humano.

Peço ao Altíssimo que nos proteja e guie o Homem no bom caminho!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Publicidade

Links

_EM DESTAQUE

_RISCOS ASSUMIDOS

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D