Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

23
Fev14
É triste testemunhar a falta de testosterona do homem moderno, algo aparentemente ainda mais patente no mais comum dos portugueses. É notório que ao longo dos anos tal salta à vista, afinal passámos de uma sociedade de revoltas, assassinatos políticos e regicídio para uma sociedade conformista e castrada que tudo tolera, até que lhe roubem o pão da boca.
Recordo sempre as palavras de Oswald Le Winter, ex-agente da CIA exilado em Lisboa e autor de dois livros excelentes publicados pelas Edições Europa-América (“Democracia e Secretismo” e “Desmantelar a América”), confidenciou-me em tempos que Portugal é o tubo de ensaio da Nova Ordem Mundial desde 1974: que testaram e testam aqui tudo aquilo que um dia será generalizado em todos os países do mundo. Não sei se meteram algo na água, se foi pela educação escolar, mas a verdade é que desde os anos 80 que os portugueses se transformaram numa massa uniforme e manipulável desprovida de capacidade de reacção. Se calhar estava certo o homem, que Deus o tenha. 
O escândalo em redor das praxes acaba por ser um mero reflexo desta bovinidade geral. Hoje: fala-se em ilegalizar a praxe devido aos excessos dos veteranos e à vitimização dos caloiros. No tempo dos reis: ilegalizou-se mesmo a praxe porque alguns caloiros ofendidos chegavam a agredir e a matar veteranos que os tinham praxado. Depois ainda riem quando digo que o nosso povo perdeu a capacidade de se revoltar e defender? Perdeu-a, em tudo! Os portugueses, caloiros ou não, nem sempre foram o rebanho submisso que são hoje.
Há quem goste sempre de recordar que não descendemos dos heróis que deram novos mundos ao mundo, aos aventureiros que descobriram a Austrália, a Ásia, o Brasil e que desbravaram África: descendemos dos que ficaram. Bom, tecnicamente e como separatista açoriano nada me agrada mais que ouvir o "descendemos dos que ficaram". Mas isso não explicaria a quantidade de tempo que aguentamos a Guerra no Ultramar, creio que o Estado Novo começou por quebrar o espírito dos portugueses e a inutilização do esforço de guerra ao entregar as colónias, mesmo contra a vontade de algumas, foi a machadada final. O cadáver ainda foi remexendo a sangue frio até os anos 80 e a partir daí criou-se uma massa de zombies com uma minoria muito ínfima ainda a sentir-se viva. E nós, os vivos, durante quanto tempo mais aguentaremos a chama?
PUBLICADO NO SEMANÁRIO NACIONAL O DIABO DE 04 DE FEVEREIRO DE 2014.

 

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Publicidade

Comentários recentes

Links

_EM DESTAQUE

_RISCOS ASSUMIDOS

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D