Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

16
Jan09

O programa Quadratura do Círculo (5ª feira na Sic notícias, às 23) sempre teve um figurino: 2 livres pensadores debatem a actualidade semanal com um alinhado (a grosseria diria «papagaio») socialista. Os dois livres-pensadores sempre foram José Pacheco Pereira, que nunca hipoteca as linhas do seu raciocínio ou as suas posições às conveniências do seu partido, o PSD, e António Lobo Xavier, que, excepto em raros temas empresariais em que é parte (coincidência de interesses para a qual, aliás, sempre adverte antes de pronunciar-se), pratica a mesma liberdade de espírito centrista.

O alinhado socialista foi, primeiro, José Magalhães, confrangedor na consistente defesa de tudo o que fosse PS, sem fronteiras de ridículo ou absurdo - muito na linha de disciplina cega que trouxera do PCP. O segundo alinhado socialista foi Jorge Coelho, sempre extremadamente fiel à linha, embora de forma tanto mais inteligente como tentadamente intimidatória. Foi mais vocal e até informativo (ao menos pelos silêncios ou recusas em aplaudir) só quando já estava de saída.

O terceiro alinhado é António Costa. Mas Costa foi sensível ao chamamento de Sócrates, será o autor da moção de estratégia ao próximo congresso socialista, e, por isso, sendo antes fiel, é agora fidelíssimo. Pôs a inteligência na prateleira e fez-se propagandista à imagem do amado líder e Primeiro-Ministro.

Por isso, neste caminho até às legislativas de Outubro, a Quadratura do Círculo será mais acalorada e agreste. Foi-o ontem. Foi-o sobretudo quando Costa insistiu que o Governo baixara os impostos; e Lobo Xavier repetiu que o aumento do esforço fiscal dos Portugueses nos últimos 3 anos foi o maior de toda a União Europeia, e que o discurso de quem diz que houve baixa de impostos vem da ignorância ou então é manipulador.

Este dia, esta hora e este canal (mas só neste dia a esta hora) prometem.

 

  

 

José Pacheco Pereira, António Lobo Xavier e António Costa: duas cabeças e um alinhamento com as bases

1 comentário

Comentar post

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Publicidade

Comentários recentes

Links

_EM DESTAQUE

_RISCOS ASSUMIDOS

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D