Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

11
Jun13

Tem sido uma aposta de Lisboa nos últimos anos as denominadas "hortas urbanas". (ver AQUI).

Depois dos Parques Hortícolas da Quinta da Granja, Jardins de Campolide, Telheiras Nascente, e dos concursos já concluídos para os quase prontos Parques Hortícolas da Quinta da Paz e do Parque Bensaúde, avançam os concursos para mais dois: O Parque do Vale de Chelas e o Parque dos Olivais.

Contudo, e apesar das múltiplas vantagens que estas significam para o ambiente urbano, a começar pela socialização e pela ocupação permanente de espaços pelos cidadãos, e sendo que em alguns casos são de facto uma ajuda indispensável para o agregado familiar (ex: as Hortas da Quinta da Granja ou as futuras no Vale de Chelas têm talhões de 150m2, o que é uma área de cultivo muito razoável), a verdade é que por vezes é preciso clarificar que estamos num momento crucial de definir que as "hortas urbanas" têm que ganhar estatuto de "agricultura urbana" no seu verdadeiro significado, e na perspectiva com que foi sempre defendida por Gonçalo Ribeiro Telles. E por mais que o trabalho de Lisboa nesta área seja de uma crucial importância, e tal como ao nível dos Transportes, também aqui é à escala da Área Metropolitana de Lisboa que deverão ser criadas as bolsas de produção agrícola, que contribuam para uma maior segurança alimentar e para o abastecimento local.

E não falo só de hortícolas, claro está, falo também de cereais, de pastagens para gado, de vinha. Solos de qualidade para estas actividades ainda existem na Área Metropolitana, apesar da enorme destruição que muitos dos melhores solos sofreram para outros fins. Uma boa parte da agricultura de futuro deve estar próxima dos grandes centros de consumo, porque beneficia da curta distância aos centros de consumo, bem como da maior disponibilidade de meios técnicos e humanos.

Ao contrário do que disse Cavaco Silva sobre o retrato da agricultura em Portugal desde os seus tempos de Primeiro-Ministro, ainda estou à espera de saber, por exemplo, de uma só medida de Cavaco Silva, de qualquer área da sua Governação, que tenha valorizado e promovido a agricultura metropolitana, essa mesma que neste momento é urgente implementar. É que por aqui só o vi semear betão.

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Publicidade

Comentários recentes

Links

_EM DESTAQUE

_RISCOS ASSUMIDOS

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D