Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

26
Mar13

Tornando-se conhecia a sétima “avaliação” da Troika testemunhamos mais do mesmo (ou seja, a culpa morre solteira para todos os governos em exercício de funções): a Troika diz que estamos no bom caminho, embora não se note qualquer resultado; o sacrifício pedido aos portugueses não tem servido para nada, mas é para continuar ou até agravar; por via das dúvidas e para garantir que a culpa nunca é dos que estão mas dos que sempre estiveram, o Partido Social Democrata culpa o memorando original assinado por Sócrates olvidando que também o PSD o negociou e assinou.

 

O mais deprimente é que as primeiras sondagens confirmam as minhas previsões mais pessimistas (que muitos julgavam ser impossíveis, embora eu as tenha fundamentado no exemplo bem real das Regionais de 2012): descem todos os partidos excepto o PS e o PSD, que até sobrem. Ou seja, o povo continua cegamente a apostar nos mesmos dois cavalos, qual deles o mais coxo e marreco na corrida da democracia à portuguesa.

 

A reivindicação de cordeiro trouxe às ruas novos milhares em nova e inútil manifestação, não parecendo a plebe entender que no seu conjunto (vá, demos de barato que não sejam as mesmas pessoas a ir sempre às manifestações organizados por sei lá quantos nomes e siglas e que ultrapassem o milhão e meio) tem o poder de fazer eleger novos partidos para a Assembleia da República, uma nova oposição, ideias frescas, rostos novos. Infelizmente protestam muito, mas na hora da verdade votam nos mesmos ou, pior, nem sequer vão votar.

 

Somos cada vez mais um país sem classe média, com a livre iniciativa chacinada graças à forte carga fiscal, o desemprego poderá atingir os dois milhões de cidadãos, são já dezenas de milhar os portugueses com fome por já não terem direito ao subsídio de desemprego.

 

Neste ambiente a gratuidade da alimentação, da habitação, da saúde, do ensino e até do vestuário ao estilo do regime norte-coreano já não parece tão mau ao cidadão comum e ninguém lhe pode levar a mal. O problema é que um regime PCP/BE cá no burgo ia preocupar-se mais por encerrar este jornal, encarcerar este escriba, proibir uma série de pequenos partidos de Direita e outras banalidades em vez de dar um rumo a Portugal, certo?

 

Publicado no semanário nacional O DIABO de 19 de Março de 2013

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Publicidade

Comentários recentes

Links

_EM DESTAQUE

_RISCOS ASSUMIDOS

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D