Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

14
Mar13

A PROPÓSITO DA ELEIÇÃO DO PAPA FRANCISCO


Fernando Sá Monteiro

 

Não consigo esconder a emoção e a Esperança que acompanharam os momentos em que foi conhecido o nome e personalidade do novo Pontífice, do nóvel Bispo de Roma.

É certo que também eu, como ontem afirmou com grande sabedoria e sensibilidade esse nosso respeitado compatriota que é Bagão Félix, passei e passo por muitos momentos de desânimo e de dúvidas existenciais.

E não posso deixar de repescar algumas das coisas que deixei aquando da minha tomada de posse na Academia de Letras e Artes, não porque sejam muito importantes (pobre de mim!), mas porque essas minhas palavras são o que melhor definem o que penso e o que defendo e justificam a minha enorme Alegria e Esperança neste momento histórico da Igreja Católica.

Dizia eu que a nossa Verdade “é procurada com ardor, mas muitas vezes com sofrimento e repleta de crises existenciais. Porque não há Verdades que não possam ser contestadas, não há certezas que não se revistam de dúvidas, não há Perfeição que não mereça libertação. Verdade, Perfeição, Justiça, Ética, Bondade, Intervenção: tudo são valores que sempre resistem presentes na procura insaciável de um Mundo Novo”.

Todos estes elementos são também fonte indispensável de reflexão para qualquer ser humano que se preocupa com o caminhar do Mundo nos dias de hoje e, principalmente, pelo futuro que estamos construindo.

Acrescentei eu que "Ninguém retém a Verdade absoluta. E ser capaz de reter a Verdade que se contem na opinião de outros faz de nós cidadãos mais conscientes. Temos que conservar a capacidade para, a todo o momento, sermos capazes de admitir os erros de julgamento, termos a abertura de espírito necessária para assimilar que nada está, a priori e em definitivo, assente em Verdades insofismáveis e imutáveis. Assim, o nosso contributo terá sido maior ou menor, consoante o que dele possa ter sido aproveitado, ou venha a ser, numa luta por ideais.

É intencionalmente que uso o plural, pois que, na minha percepção do mundo e da sociedade que desejo, absorvo uma sensibilidade que vai muito além de simples mudanças de regime ou de lutas políticas.

É de uma verdadeira Revolução que estou falando!

Há que construir - temos que construir - todos nós, sem excepção, uma sociedade onde a componente humanista abra caminhos de esperança a tantos que nos gritam, diariamente, por justiça social, pelo direito à dignidade de todos os seus integrantes, por uma consciência social de bem servir a causa comum e, enfim, por valores intemporais que parecem adormecidos, quando não mesmo destruídos.

Todos nós somos chamados a essa “mudança”, independentemente das nossas opções políticas e ideológicas.”

Tenho sede de uma fraternidade efectiva entre os seres humanos, sentindo uma enorme impotência perante um Mundo onde a miséria humana e social são a vergonha de todos nós.

O caminhar do Homem deve ser, tem de ser, constantemente acompanhado de novas aspirações sociais, reconstruindo diariamente essa divina capacidade que nos foi dada para uma visão de um Infinito para o qual caminhamos, ao qual aspiramos, sem contudo sabermos, perfeitamente, em que moldes.

Essa magnífica qualidade que acompanha intrinsecamente o espírito dos mais jovens, sempre insaciáveis na busca duma perfeição, secularmente acompanhada da aguerrida capacidade para o inconformismo e para uma rebeldia tão necessária a um Mundo em constante sobressalto, dá-me força, esperança, desejo de lutar, fome de construir mais e melhor, razão para viver.

Como alguém um dia escreveu: “Lembremo-nos sempre: a Vida não se mede pelo número de vezes que respiramos, mas pelos momentos que nos tiram o fôlego”.

Diria, como corolário de tudo, que a Bondade deverá acompanhar os nossos passos em busca da libertação do Homem.”

A eleição do Papa Francisco foi, assim, uma fonte de enorme Esperança nesse Novo Mundo a construir. Foi a pedra angular que poderá servir de Inspiração a uma Renovação do Homem, nessa busca incessante de uma autêntica Fraternidade entre seres iguais em direitos e deveres.

Talvez por isso, Amigas e Amigos, foi tão marcante e emocionante para mim esta eleição. Foi o renovar da minha Fé, a minha entrega a esse Jesus Cristo Redentor, a afirmação pública, sem receio nem vergonha, antes de completa Esperança, de que o Cristianismo é o meu Caminho escolhido, a fonte da Mudança que desejo reconstruir com todos os meus Irmãos.

Há quem sinta algum incómodo e reserva quando tanta vez afirmo que é precisa uma Revolução. Pois lamento desiludir os que assim pensam ou sentem. Reafirmo que é mesmo de uma Revolução que o Mundo precisa. E não se iludam os mais cépticos ou descrentes: essa Revolução esteve e está sempre presente em Jesus Cristo. Como Ele afirmou, “Eu não vim trazer a paz, mas a espada” (Mateus 10:34)!

E nesta afirmação que muitos consideram tão controversa, a “espada” do trecho de Mateus nada mais é do que uma metáfora para o conflito ideológico e que Jesus jamais advogou a violência física, até porque ele fala, logo no versículo seguinte, sobre divisões entre pais e filhos numa família.

A eleição do Papa Francisco é, estou crente, essa “espada” que o Mundo anseia, num momento de tanta injustiça social e fome que é forçoso alterar. Para que nos dignifiquemos enquanto Seres Humanos, pois onde reside a Injustiça não existe Humanismo e Fraternidade Social. Por todos estes motivos a minha Emoção foi e é tão intensa.

E confesso sem vergonha que não consegui conter lágrimas de comoção quando ouvi ser pronunciado o nome do cardeal escolhido.

Jorge Mario Bergoglio, o nosso Papa Francisco (nome escolhido, provavelmente, conciliando essa dualidade que se pretende aglutinar da pobreza e simplicidade de Francisco de Assis, com a coragem, determinação e sentido missionário de Francisco Xavier, o padroeiro e “Apóstolo do Oriente” que honra a Companhia de Jesus, à qual pertence o nóvel Pontífice) é sinónimo de Serenidade e Humildade, mas ao mesmo tempo de Firmeza, Coragem e Sensibilidade Social.

Deus esteja com ele e connosco e nos ajude a recontruir essa Fé que move montanhas.

Que o Cristianismo vença todas as fronteiras do medo, da superficialidade e da ignorância.

 

Fernando de Sá Monteiro

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Publicidade

Comentários recentes

Links

_EM DESTAQUE

_RISCOS ASSUMIDOS

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D