Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

02
Jan13

Como se Levantaria um Estado

Sem querer plagiar o título da obra do Dr. Oliveira Salazar, esbocei uma série de ideias, que pela reabilitação do património arquitectónico, poder-se-ia igualmente reabilitar boa parte da nossa estrutura socio-económica, além de finalmente podermos ingressar com orgulho no mapa da Europa… aqui ficam algumas sugestões…

Quando era miúdo e fiz a instrução primária, além de ter aprendido a ler, escrever e fazer contas, aprendi essencialmente a acreditar em Portugal…
Todas as matérias ensinadas eram novas e interessantes, recebia com gratidão os conhecimentos que diariamente acumulava, e acreditava com convicção em tudo o que a professora ensinava…
Havia uma disciplina que particularmente me cativava, era o Meio Físico e Social, dava-nos a conhecer Portugal e todas as suas regiões e culturas…
Era uma disciplina que além da geografia, história e etnologia, também nos deu noções de patriotismo, mostrando que pela cultura, a identidade de um povo estaria para sempre preservada.
Como espelho de uma cultura e civilização, tal como barómetro sócio cultural, poderíamos utilizar a arquitectura e todo o ambiente que nos rodeia, pois está nela transposta toda a nossa epopeia como nação económica e cultural.
Pelos estilos de arquitectura podemos definir com alguma exactidão, não só a sua cronologia, como também a região onde está localizada, havendo características bem específicas que identificam cada edifício e atribuem uma identidade a cada povo e região.
Hoje, em pleno Século XXI, toda a identidade do País mais antigo da Europa está posta em causa pela conspurcação ética e estética dos valores culturais.
A proliferação de “maisons” que floresceram nos mais recônditos cantos da nossa pátria, conspurcaram tudo o que se ensinava nas escolas como característico do “puro lusitano”, condenando ad eternum todo o charme de um País.
Sabemos que a criatividade é uma mais-valia para qualquer sociedade, no entanto o excesso da mesma pode ser muito prejudicial para todos nós. Todas as liberdades criativas espelhadas na arquitectura deveriam ser controladas pelas Cameras Municipais, que com todo o rigor, deveriam acompanhar cada obra e impor as leis vigentes.
Desde a arquitectura barata, as cores berrantes, o gradeamento exuberante e estatuária aberrante, águias, dragões, leões e anões, azulejaria de casa de banho com as mais bizarras conjugações, … todos os golpes foram e são permitidos…  ou será esta a cultura portuguesa?
Portugal tornou-se num País de aberrações que nos assolam de Norte a Sul… Basta de “pimbalhices” e novo-riquismo, DEVOLVAM-NOS A IDENTIDADE E A DIGNIDADE!
Também a construção desmedida de autênticos mamarrachos, (que muitas vezes ditaram a sentença de morte de verdadeira obras de arte), inundou o mercado com um excesso de oferta, criando especulações e crises financeiras… a nossa moral nunca esteve tão baixo como agora… nem que a selecção de futebol fosse campeã do mundo, o patriotismo nos seria revitalizado…
Nenhum País pode funcionar sem sentido de patriotismo, é como se fosse o “óleo do motor”de uma nação.
O patriotismo lubrifica-nos o ego, aumenta-nos a produtividade, além de nos dar força para enfrentar a vida com a convicção. É uma espécie de dopping que alguns governantes se esforçam a incutir nos seus povos, pois sabem que é o orgulho colectivo que os conduzirá à vitória e levará o País avante.
Muitas vezes e através de demagógicas campanhas de propaganda barata, em que nos são prometidas doses massivas de adrenalina patriótica, gastam-se inocuamente verbas que poderiam por este País a funcionar…
Sabemos que os submarinos, o TGV, o aeroporto internacional e as auto-estradas são investimentos que nos ajudarão a elevar a nossa auto-estima, pois é uma maneira ilusória de nos poder comparar ao resto da família europeia, dando-nos a pensar que isto é um País evoluído.
No entanto e enquanto houver cerca de um milhão de ruínas neste canto da Europa, dificilmente Portugal poderá ser produtivo, não só pelo que estas ruínas representam para a nossa economia, mas também por aquilo que representam como sociedade.
O plano de recuperação económica e social, deveria começar precisamente por devolver a Portugal a sua identidade, pela preservação e rentabilização do seu vastíssimo património.  
Eu sei que são investimentos colossais que o estado não pode suportar neste momento, mas  se criasse condições para que os particulares o façam?
Embora isso por vezes até possa acontecer, é muitas vezes impossível prever com exactidão o orçamente destas empreitadas, pois à medida que os trabalhos progridem, também os buracos aparecem ao mesmo ritmo, tornando muitos projectos economicamente inviáveis.
Outro entrave, é o orçamento acrescido para mão-de-obra especializada que regiamente se faz pagar pelos seus préstimos, uma vez que quase não há concorrência pela escassez de cada profissional.
Noutra altura atrevi-me a apresentar soluções legislativas a quem pudesse interessar, todas elas no interesse de todos nós como nação civilizada, tendo tido o cuidado de as sustentar através da legitimação histórica, pois esta é cíclica e ensina-nos valiosas lições.
Uma vez que este projecto tem contribuído para a difusão e sensibilização desta causa nacional, através do levantamento histórico e fotográfico de alguns edifícios, gostaria de o ver também a contribuir com algumas ideias que ajudariam a levantar a economia e sociedade portuguesa.
O plano começaria depois de todas as leis serem afinadas, o que dinamizaria todos os processos de reabilitação urbana, cultural e económica.
Já que hoje em dia só é valorizado um profissional com “canudo”, e sem esse “atestado de doutor”, qualquer um é visto como uma espécie inferior de ser social. Seria uma forma de dignificar as profissões através de um estatuto, apelando assim a um grande número de futuros alunos para a Universidade de Reabilitação.
Ao mesmo tempo esse mesmo canudo serviria como selo de garantia para um trabalho rigoroso e profissional… seria ouro sobre azul…
A Escola Superior de Reabilitação, traria além de milionários lucros em forma de propinas, um novo fôlego a toda a sociedade…
Ocupando um espaço devoluto e a necessitar de intervenção, poder-se-ia sem grandes investimentos iniciais dar avanço a este ambicioso projecto.
Começando-o pela recuperação das suas instalações, contribuiria não só para o ambiente urbano, como também para a formação dos seus alunos.
Desta forma seriam preenchidas várias lacunas de uma só vez, e todos os benefícios sócio económicos desta empreitada seriam imediatamente rentabilizados.
Imediatamente também, se constituiriam inúmeras formas de emprego permanente, e se construiriam muitas carreiras.
Carreiras essas que facilmente encontrariam mercado de trabalho, num milhão de ruinosas oportunidades só em solo nacional. Muito mais do que advogados, engenheiros e outros doutores, todos estes profissionais teriam uma projecção mais que garantida.
Para levar a cabo uma digna reabilitação, são necessários vários profissionais especializados. Além do conhecimento dos materiais que podem ser autênticas fórmulas de alquimia, as técnicas utilizadas pelos nossos avós são a única maneira de reabilitar sem desvirtuar um edifício histórico.
Todos os trabalhos de formação poderiam ser feitos em monumentos nacionais ou em edifícios do estado, o que representaria a poupança de muitos milhões de euros, além de poder aceitar empreitadas com valores muito mais acessíveis, o que seria outra forma de rentabilizar esta instituição.
Também as instituições prisionais poderiam ministrar cursos de reabilitação. Utilizando os reclusos como mão-de-obra, não só se rentabilizaria esta força de trabalho, como a mesma seria utilizada num verdadeiro serviço público, além de que garantiriam uma profissão honesta e segura assim que saíssem em liberdade.
Com os lucros gerados por esta escola, poder-se-iam fundar outras em diversos pontos do País. Uma vez que os centros urbanos das principais cidades, rumam a passos largos para de desertificação pela sua eminente ruína, estas escolas de reabilitação tornam-se numa necessidade suprema para cada autarquia.
Num Portugal onde o desemprego todos os dias atinge recordes, especialmente na camada mais jovem, é urgente arranjar e tomar medidas que revertam esta situação.
Com estas escolas, vários problemas seriam combatidos e resolvidos. Desde a reabilitação urbana, valorização de património, revitalização económica e cultural, baixa do custo da habitação, qualidade vida, emprego e muito trabalho, … e acima de tudo… PATRIOTISMO!!!
Está na hora de levantar de novo o esplendor de Portugal... eu já comecei…!!!
http://ruinarte.blogspot.pt

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Publicidade

Comentários recentes

Links

_EM DESTAQUE

_RISCOS ASSUMIDOS

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D