Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

05
Jul13

O Artigo 201.º da Constituição da República Portuguesa

José Aníbal Marinho Gomes
De acordo com artigo 201.º n.º 1, alínea c) da Constituição da República Portuguesa, compete ao Primeiro-Ministro informar o Presidente da República acerca dos assuntos respeitantes à condução da política interna e externa do país.

Ora, o actual Presidente da República entende que este artigo é “transparente como a água”, tão transparente que o levou a acusar o anterior primeiro-ministro José Sócrates de deslealdade política, quando o Governo socialista não o informou das medidas de austeridade que tinha apresentado em Bruxelas (o PEC IV) e que viriam depois a ser chumbadas na Assembleia da República, desencadeando uma crise política que terminou com o pedido de demissão de José Sócrates.

A fazer fé na imprensa, o Presidente da República não foi avisado pelo Primeiro-Ministro Dr. Passos Coelho, sobre o pedido de demissão apresentado pelo Dr. Paulo Portas, tendo a mesma apenas sido conhecida em cima da hora da tomada de posse da nova ministra, por sinal a fonte de toda a polémica.

Ou seja, quando fez declarações aos jornalistas dizendo que uma força política que pretenda "afastar o Governo" deveria apresentar uma moção de censura no Parlamento e não esperar que fossem outros a fazer o trabalho que lhes compete por imperativo constitucional, o Presidente da República desconhecia que a queda do Governo podia estar iminente.

Será que neste caso o artigo 201.º n.º 1, alínea c) da Constituição da República Portuguesa, que é “transparente como a água” não se aplica?

O Presidente da República tem de intervir, tout court!

Já o devia ter feito e nem necessitava de usar a “bomba atómica”, como erradamente o fez Jorge Sampaio, dado que na altura não existia como hoje, uma iminente "ruptura na coligação".

O Presidente deve formar um governo de iniciativa presidencial, com duração limitada até à saída da troika de Portugal, composto por personalidades de relevo e de vários quadrantes políticos, que coloquem os interesses de Portugal acima de qualquer outro, comprometendo os partidos (sobretudo aqueles que assinaram o memorando com a Troika) a um entendimento histórico e patriótico quanto à solução adoptada, no sentido de viabilizarem esse governo.

Governo esse que comece a alterar as políticas que têm sido seguidas pela maioria PSD/CDS, apostando mais no crescimento económico e menos nas políticas de austeridade, que como se sabe, acabaram ainda por afundar mais o nosso país.

E quem o disse foi o ex-Ministro das Finanças Vitor Gaspar na sua carta de demissão ao afirmar que não foram cumpridos os limites originais do programa para o défice e a dívida, em 2012 e 2013 e que o nível de desemprego e de desemprego jovem eram muito elevados, o que exige uma rápida transição das políticas de “austeridade” para a fase do investimento.

Na eventualidade de os partidos políticos não viabilizarem um governo com estas características, deverá o chefe de estado responsabilizá-los publicamente pelas consequências dos seus actos, demitir o governo, uma vez que é necessário assegurar o regular funcionamento das instituições democráticas, dissolver de imediato o Parlamento e nomear um novo governo, “de gestão”, até que seja eleita uma nova AR.

Existirá da parte do Presidente da República coragem para o fazer?

05
Jul13

TDT: A COISA CONTINUA NA MESMA

António Veríssimo

Basta que o calor aumente para que a TDT seja uma dor de cabeça para quem está dependente deste sistema para ver televisão. E são uns milhares bem medidos os que precisam disto. As caras transforma-se em carantonhas, a imagem distorce-se por completo e...desaparece dando lugar à frase “Não tem sinal”. Segundo um estudo da Deco, 13 por cento dos lares não conseguem seguir a emissão de televisão havendo 62 por cento dos lares que recebem TDT em que há queixas de que a emissão sofre falhas no som e na imagem ou mesmo interrupções prolongadas. Isso corresponde a cerca de 620 mil lares, tendo em conta que perto de um milhão de habitações permanece apenas com o serviço de TV gratuito. Pelo que sabemos, quem de direito (a PT e a ANACOM) recebe reclamações todos os dias mas a coisa continua na mesma.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Publicidade

RSS Feedburner

Subscribe in a reader

Publicidade

Links

_EM DESTAQUE

_RISCOS ASSUMIDOS

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D