Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

Paz à sua alma, e para a nossa também

João Távora, 28.06.09

Assumido consumidor de música pop, reconheço com bonomia o lugar reservado na história à generalidade dos temas e actores desta efémera arte: o saudável esquecimento. Michael Jackson foi um produto de uma afinadíssima máquina de marketing e os seus atributos circenses jamais me comoveram por ai além. Quanto às suas inevitáveis cantigas, essas sempre me pareceram criações musicalmente grosseiras. Talvez por isso não deixe de me provocar algum espanto o ribombante efeito mediático da morte deste artista agora elevado aos píncaros do Olimpo. Para gáudio do ávido "público", que é quem mais ordena, sirva-se-lhe então um mito inspirador. 

Domingo

João Távora, 28.06.09

Evangelho segundo São Marcos Mc 5, 21-24


Naquele tempo, depois de Jesus ter atravessado de barco para a outra margem do lago, reuniu-se uma grande multidão à sua volta, e Ele deteve-Se à beira-mar. Chegou então um dos chefes da sinagoga, chamado Jairo. Ao ver Jesus, caiu a seus pés e suplicou-Lhe com insistência: «A minha filha está a morrer. Vem impor-lhe as mãos, para que se salve e viva». Jesus foi com ele, seguido por grande multidão, que O apertava de todos os lados. Entretanto, vieram dizer da casa do chefe da sinagoga: «A tua filha morreu. Porque estás ainda a importunar o Mestre?». Mas Jesus, ouvindo estas palavras, disse ao chefe da sinagoga: «Não temas; basta que tenhas fé». E não deixou que ninguém O acompanhasse, a não ser Pedro, Tiago e João, irmão de Tiago. Quando chegaram a casa do chefe da sinagoga, Jesus encontrou grande alvoroço, com gente que chorava e gritava. Ao entrar, perguntou-lhes: «Porquê todo este alarido e tantas lamentações? A menina não morreu; está a dormir». Riram-se d’Ele.
Jesus, depois de os ter mandado sair a todos, levando consigo apenas o pai da menina e os que vinham com Ele, entrou no local onde jazia a menina, pegou-lhe na mão e disse: «Talita Kum», que significa: «Menina, Eu te ordeno: Levanta-te». Ela ergueu-se imediatamente e começou a andar, pois já tinha doze anos. Ficaram todos muito maravilhados. Jesus recomendou-lhes insistentemente que ninguém soubesse do caso e mandou dar de comer à menina.
 

 

Faites vous jeux!

João Távora, 27.06.09

Num ápice e com inegável elegância, Cavaco Silva esvaziou mais um drama ao marcar as eleições legislativas e autárquicas com duas semanas de intervalo. Tenho para mim que o dinheiro e a maçada que se poupavam com duas eleições num só dia, não justificava a enorme cacofonia que iam gerar as várias campanhas em simultâneo.

A crise a Cresus

José Mendonça da Cruz, 26.06.09

Com plutocrático cinismo e grande incómodo para os lugares-comuns, a 13ª edição do World Health Report, da Merryl Lynch, anunciou anteontem que as pessoas mais ricas do planeta foram duramente atingidas pela crise: o clube dos 8,8 milhões de bilionários mundiais perdeu, desde finais de 2008, 1,5 milhões de membros, e o total do seu património diminuiu 8 mil milhões de dólares.

Ai minha Nossa Senhora! De quem é que eu culpo a crise, agora? A quem atiço eu os Robins dos Bosques quando se me acende a demagogia? Que fazer desta factura?

A lista de Tavares

José Mendonça da Cruz, 26.06.09

O acutilante Rui Tavares, nova pitonisa da esquerda chique, do alto do seu trípode, acima do abismo hiante, fustigou as exalações dos 28 sombrios economistas que assinaram contra as obras públicas. Os antigos ministros da Economia e das Finanças de vários governos, governadores do Banco de Portugal, académicos, especialistas, são - determina Rui - de direita. O templo tremeu. E, logo, de Tavares avançar com um rol de verdadeiros sábios que, esses, são de esquerda e não se opõem: um Silva, ou Gomes, salvo erro, ou Pereira, talvez; outro, Dias, ou Matias, ou Santos, mais provavelmente; e mais cujo nome não fixei. O TGV sonha-se Fénix, profetizo eu.

Quem é?

José Mendonça da Cruz, 26.06.09

Perdigão perdeu a pena
Não há mal que lhe não venha.

Perdigão que o pensamento
Subiu a um alto lugar,
Perde a pena do voar,
Ganha a pena do tormento.
Não tem no ar nem no vento
Asas com que se sustenha:
Não há mal que lhe não venha.

Quis voar a ua alta torre,
Mas achou-se desasado;
E, vendo-se depenado,
De puro penado morre.
Se a queixumes se socorre,
Lança no fogo mais lenha:
Não há mal que lhe não venha.

                  Luís de Camões
 

Passar bem (ou Les Mésaventures de Tintin)

José Mendonça da Cruz, 26.06.09

Sai, pela esquerda baixa,

Jorge Miranda,

zangado do insucesso

de ter-se prestado a ser

uma carta de Sócrates

para embaraçar o PSD,

após ser duas vezes recusado em votações para Provedor de Justiça.

Sócrates quiz quebrar uma tradição de equilíbrios e reclamar mais um cargo para os socialistas. Outra tentação totalitária que corre mal. 

Tempo que passa

José Mendonça da Cruz, 26.06.09

Sai, para a lenda da Pop, Michael Jackson, talento musical enorme, dançarino notável, que assim recordarei, agradecido. Morto de paragem cardíaca aos 50 anos. Deus lhe perdoe o que haja a perdoar e o guarde na sua paz.