Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

01
Fev09

 

Eu tento. Juro que tento. Há anos que tento não ficar irritada com a obsessão dos portugueses pelo futebol, a ponto de tudo o resto lhes parecer absolutamente irrelevante: os outros desportos, a música, a literatura, a política, o trabalho, o sexo, etc.

 

O futebol serve de bitola e de referência para tudo. Desperta e inspira megalomanias nacionais nunca vistas, goza de estatuto especial nos impostos, faz correr rios de dinheiro em lobbies vários, é causa de maus tratos domésticos ou de históricas reconciliações de inimigos ancestrais num só golo regado a tinto, dita modas, faz nascer figuras de jet set (na verdade, jet2 ou 3, mas isso é outra história), infiltra estranhos vocábulos numa língua já suficientemente maltratada, provoca apoplexias e orgasmos múltiplos, rende audiências televisivas em intermináveis programas de filosofia barata, cria multi-milionários aos vinte anos e, enfim, faz de cada cidadão um doutor, um árbitro, um treinador, um carrasco e um iluminado.

 

Eu tento entender o fenómeno e até (juro!) gostar do jogo.  Sem grande êxito, é verdade, mas tento. Mas, por muito boa vontade que tenha, o que não engulo é esta mania de partirem do princípio de que eu só atinjo o cerne e a dimensão das coisas se elas forem postas em termos futebolísticos. Exagero? Não, nem um pouco. Ainda hoje - e é só um exemplo, em milhares de outros possíveis - um jornalista falava da tremenda crise e do aumento dramático do desemprego, a nível mundial. Apresentando números e estatísticas impressionantes, dizia que algumas das maiores empresas do mundo tinham despedido 250.000 pessoas num só dia. Mas deve ter pensado que a revelação não tinha tido efeito suficiente nos telespectadores, ou que eles não tinham percebido bem o alcance do número e apressou-se a acrescentar, solícito: "São mais ou menos três estádios do Benfica, cheios!".

 

A religião, o ópio do povo? Que ideia, amigo Karl. Por cá, o ópio do povo faz-se com papoilas saltitantes.

 

4 comentários

Comentar post

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Publicidade

Comentários recentes

Links

_EM DESTAQUE

_RISCOS ASSUMIDOS

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D