Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

19
Mai15

crime e castigo

Sofia de Landerset

execution.jpg

 

Um miúdo de 12 anos é amarrado a um poste no recreio da escola por colegas mais velhos, despido e fotografado nú. 

"Se fosse um filho meu esses rapazinhos não comiam mais pão na vida."

Um rapaz de 14 anos é torturado e morto por outro de 17 anos.

"Era fazer-lhe o mesmo!"

Uma miúda de 12 anos vai sair à noite com um grupo de amigos e é violada por um homem.

"Onde está a mãe desta criança?! Eu sei o que lhe fazia!"

Um rapaz é agredido e humilhado por duas raparigas enquanto outro colega filma a cena.

"Se fosse meu filho, essas p*tas iam já desta para melhor!"

Portugal foi pioneiro na abolição da pena de morte.

Talvez convenha lembrar.

Ou emigrar para a Arábia Saudita.

14
Mai15

em desacordo

Sofia de Landerset

concertos.jpg

 

Já se escreveu tudo sobre o acordo ortográfico. 

Doutores e professores e toda a sorte de peritos disse tudo o que havia a dizer.

De modo que a mim, já só me resta ser prática, dado que a teoria está esgotada.

Sempre me orgulhei de escrever bem. Tento escrever sem erros em qualquer uma das línguas que falo. E vivo atormentada com os erros dos outros. Os erros parecem-me saltar dos textos, em destaque. Olho de relance para uma frase e a única coisa que leio é aquela palavra que está mal escrita.

Isto parece interessante mas não é. 

Num mundo onde o erro ortográfico se tornou banal - nos meios de comunicação social, na publicidade, nas comunicações profissionais e pessoais -, viver assim é uma chatice. Há erros por todo o lado. As pessoas escrevem pessimamente.

O acordo ortográfico, na prática, é irrelevante.

As pessoas já escrevem conforme lhes apetece ("percebe-se perfeitamente o que eu queria dizer!"), portanto mais acordo, menos acordo, os erros vieram para ficar e ninguém quer saber se está bem ou mal escrito. Assim como assim, vai acabar tudo em siglas, abreviaturas com muitos 'k' e o resto das palavras truncadas até ficarem irreconhecíveis, excepto para quem tem menos de 18 anos e vive nesse novo código que deve dar origem ao próximo acordo ortográfico.

Quem defende que a língua portuguesa é uma língua viva e em evolução, está coberto de razão. É mesmo muito viva.

(vivaça ao ponto de os enunciados dos testes do meu filho, na 4ª classe, conterem erros ortográficos, mas "oh mãe, não digas nada, senão é pior")

A língua portuguesa é de uma vivacidade perfeitamente incontrolável. Não há acordo que a prenda. 

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Publicidade

RSS Feedburner

Subscribe in a reader

Publicidade

Links

_EM DESTAQUE

_RISCOS ASSUMIDOS

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D