Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

06
Mai12

Risco Contínuo apresenta"A Grain of Sand"

Pedro Quartin Graça

VER AQUI

Nos anos 60, o britânico Brendon Grimshaw, concretizou um sonho excêntrico: por 8 mil libras (cerca de 10 mil euros), comprou uma ilha deserta nas Seychelles. Este Robinson Crusoe dos tempos modernos vive no local há 40 anos e o seu principal objetivo é proteger a vida selvagem e evitar que a ilha se transforme num empreendimento turístico. Agora com 86 anos, o ex-jornalista acorda todos os dias ao som das ondas do mar e do vento a abanar as palmeiras. Uma das suas principais ocupações é proteger a fauna e a flora da ilha Moyenne. Plantada em pleno Oceano Índico, a ilha era completamente selvagem quando Brendon se mudou para lá. E é assim que continua, ainda que tenha agora o toque do trabalho de um homem que a aproximou ainda mais da ideia de paraíso natural.

O jornalista da BBC Simon Reeve visitou o local e explica que, no meio de todas as ilhas das Seychelles compradas por milionários e colonizadas por grandes resorts de férias, Moyenne destaca-se pelo seu aspeto "selvagem" e "inabitado". Grimshaw reintroduziu espécies autóctones na ilha Brendon Grimshaw vive numa cabana de madeira, cercado por tartarugas gigantes que ele próprio ajudou a reintroduzir na ilha, depois de se tornarem uma espécie ameaçada. O único habitante da ilha desenhou-lhes números nas carapaças e deu nomes a algumas delas. No total, Brendon levou para a ilha mais de 100 tartarugas. O mesmo aconteceu com cerca de 2 mil pássaros de espécies raras, encorajados pelo britânico a nidificarem no local. Por fim, conta-se que terá plantado mais de 16 mil árvores, palmeiras e arbustos.

Brendon conheceu as Seychelles em meados dos anos 50. "Comecei a pensar em comprar uma propriedade quase no exacto momento em que aqui cheguei, mas não estava a conseguir encontrar o lugar certo", disse à BBC. Mas assim que ouviu falar de Moyenne e que pisou o solo da ilha, "soube que era o lugar certo". Jantou com o antigo proprietário e o acordo ficou estabelecido. Nos primeiros anos, com muito trabalho para ser feito na ilha, o novo habitante contratou um habitante local, Rene Lafortune.

Ambos conseguiram transformar a ilha. Plantaram árvores de fruto e vegetais e construíram um sistema de obtenção de água com as próprias mãos. Mais tarde chegaram os fios de eletricidade, o telefone e a água canalizada. "Mas não o estávamos a fazer para tornar o local num parque nacional ou algo assim", assegura Brendon, "estávamos apenas a torná-lo habitável". Britânico só se sentiu sozinho quando vivia em Londres Entretanto, Rene Lafortune faleceu e Brendon ficou com as suas tartarugas e alguns cães. Mas assegura que só se sentiu sozinho uma vez na vida. "Sim, apenas uma vez na vida - quando vivia no meu quarto em Londres. Era miserável nessa altura, mas nunca aqui", sublinha. Tem pena de nunca ter casado, mas nunca teve coragem de pedir a alguém que vivesse ali. "Não tivemos água canalizada durante anos", refere.

No entanto, a sua irmã Sandra veio viver com o seu marido para outra ilha das Seychelles, Mahe e, em 1981 o seu pai, viúvo, aceitou o convite de Brendon para viver com ele. "Para minha surpresa, mudou-se de Seaford para estar comigo quando tinha 88 anos", conta. "Passámos tempos maravilhosos juntos e tornamo-nos os melhores amigos". O pai, Raymon Grimshaw, acabou por falecer passados cinco anos e foi enterrado num local da ilha, junto do sítio que Brendon já reservou para si próprio. Príncipe saudita ofereceu cheque em branco para comprar a ilha Hoje, alguns turistas podem entrar na ilha por 10 libras (cerca de 12 euros) mas Brendon não permite que ninguém lá fique durante a noite. Um príncipe saudita ter-lhe-á oferecido um cheque em branco para comprar a ilha, tal como o tentaram outros visitantes endinheirados. Mas a última coisa que o proprietário pensa em fazer é vender o local. "A única razão que alguém pode ter para comprar esta ilha é construir um grande hotel", afirma. À BBC, o Ministro do Ambiente das Seychelles assegura: "Brendon é um Robinson Crusoe dos tempos modernos". "É um naturalista, um conservacionista e um árduo trabalhador", acrescenta.

Entretanto, a Ilha Moyenne adquiriu o estatuto de Parque Nacional, protegendo uma grande diversidade de vida selvagem, e tem por exemplo 40 espécies diferentes de palmeiras. A história de Brendon tem percorrido o mundo e até já foi feito um documentário sobre este herói dos tempos modernos.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

RSS Feedburner

Subscribe in a reader

Publicidade

Links

_EM DESTAQUE

_RISCOS ASSUMIDOS

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D