Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

Risco Contínuo

Estrada dos bravos, blog dos livres

28
Fev09

O Baú Contador de Histórias - folhetim fatídico para adultos infantis e crianças precoces (8)

Tiago Salazar

Nisto, soltou-se a âncora, fuzilando na subida um pelotão de alforrecas e quase atirando borda fora o embarcadiço. Foi aí que o baú ganhou presunção e largou como yacht, entrando pelo clarão adentro. Noé fechou os olhos e só os abriu depois de aterrar de chapão no interior de uma gruta de estalactites. Na primeira visão, deu com um abutre, trajado de carteiro e empoleirado numa rocha a bicar nervosamente as unhas. Seguiu-se, a rasar-lhe a cabeça, um voo picado de uma bruxa, em potente vassoura, e dando gritos estridentes.

 

- ”Dardo, eu quero um dardo para matar este abutre estúpido e incompetente. Irra, que criatura mais inútil!... Nem para levar o correio serve! Que raios e coriscos te transformem numa barata. Puff!!!” A bruxa sarapintada barafustava e praguejava, com vocabulário de bruxa, cirandando entre o caldeirão borbulhante e a mesinha de provetas. Tinha cara de matrioska pálida, de sardas castanhas e cinzentas até à base das bochechas, nariz comprido, mas sem verruga, e olhos cor de esmeralda. Longas farripas ruivas pendiam-lhe na testa, enquanto o resto da cabeleira estava escondida num manto de capuz preto. Esbracejava, com ares de espantalho foragido, e acabou por voltar às provetas. Via-se que era uma bruxa moderna. O abutre rastejou tropegamente o seu novo corpo de barata e emitiu um ruído suplicado, como se quisesse de volta a identidade. A bruxa enterneceu-se. Mas deixou-o penar, depenado. E pensou: a cada crime o seu castigo. Raimundo, o gato preto e obeso, deitado meticulosamente entre as provetas, aprovou com um longo miado. A bruxa tirou uma proveta e despejou-lhe um líquido viscoso, arroxeado. Encheu-a até meio, chegou-se ao fogão e pô-la num tripé a lume brando. Desfolhou um calhamaço coberto de pó, parando na página 1234, onde se lia: «Receita para todas as coisas possíveis e imaginárias». Riu de forma estridente e voltou a pegar na proveta, já fervida, não sem antes remexer uma gaveta atafulhada e daí subtrair uma metade de rabo-de-gato siamês. Depois, nesta ordem, ergueu a proveta, agitou-a, ajoelhou-se, levantou-se, correu ao pé-coxinho à volta da mesa, parou junto à janela, tapou o olho esquerdo, trincou a metade de rabo-de-gato siamês e engoliu a mistela da proveta de um só trago, como se bebesse um copo de três. Caiu desmaiada e assim ficou, uma noite e um dia, com o abutre-barata de vela. Quando acordou, sentiu uma náusea de alto a baixo, a cabeça pesada como uma bigorna. Resmungou dois palavrões imperceptíveis e foi à cozinha, a cambalear. Abriu o frigorífico e desarrolhou uma garrafa de medronho (medonho), que emborcou na totalidade. Sentiu-se como nova, pronta para a noite. Entrou então no quarto, trocou de manto e de socas, ajeitou a guedelha a pente de pau, pintou os olhos de preto, disfarçou as sardas com pó de arroz, selou a vassoura recém-comprada a prestações suaves no stand do Macário Macabro, desfez o feitiço do abutre, soprou os pavios, abriu a janela de par em par e saiu disparada, em cavalinho rompante. Os homens que se preparassem.

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Publicidade

RSS Feedburner

Subscribe in a reader

Publicidade

Links

_EM DESTAQUE

_RISCOS ASSUMIDOS

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D